No dia 23 de setembro, a Igreja celebra a Memória de São Pio de Pietrelcina, o nosso querido Padre Pio, que nos ensinou com seu testemunho de vida como amarmos verdadeiramente o Amor em nossas vidas.

Vamos conhecer São Pio um pouquinho mais?

De Francesco Forgione a Padre Pio…

Em 25 de maio de 1887, nascia Francesco Forgione, filho de Orazio e Giuseppa Forgione – camponeses trabalhadores, humildes e devotos – em um pequeno vilarejo no sul da Itália chamado Pietrelcina. O casal Forgione teve sete filhos, sendo dois deles vítimas da altíssima taxa de mortalidade infantil que assolava o sul da Itália, que, na época, ainda passava por um pelo processo de industrialização.

Aos cinco anos de idade, mesmo com sua saúde frágil, Francesco prometeu ser fiel a São Francisco de Assis, imitando-o nas penitências, na assiduidade com as coisas de Deus, na admiração à Nossa Senhora e ao seu Filho Jesus. Mesmo com tão pouca idade, ele fez amizade com seu Anjo da Guarda, a quem pedia ajuda para auxílio em levar a Boa nova.

Em janeiro de 1903, aos quinze anos, ingressou no Noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Marcone, adotando o hábito de noviço e o nome de Frei Pio. Mesmo com as dificuldades que sua saúde frágil lhe proporcionava, no dia 19 de agosto de 1910 foi ordenado sacerdote na Arquidiocese de Benevento.

Algum tempo depois de sua ordenação, com a saúde debilitada, Padre Pio voltou para sua família em Pietrelcina, ficando lá até 1916, quando foi enviado ao convento em San Giovanni Rotondo, ficando lá até sua morte.

Padre Pio e as Guerras Mundiais

Por conta da Primeira Guerra Mundial e da obrigatoriedade masculina de convocação para o exército italiano, Padre Pio foi convocado, mas logo obteve dispensa por de seus serviços por conta da saúde debilitada.

A contribuição de Padre Pio nesse tempo sombrio veio após os horrores sofridos na Segunda Guerra Mundial foi a criação de grupos de oração, que seriam “verdadeiras células catalisadoras do amor e da paz de Deus”[1].  No quinquagésimo aniversário dos grupos de oração, Padre Pio celebrou sua última missa, ou seja, foi a última vez que seus filhos espirituais o viram em vida.

Os estigmas e os inimigos de Pio

Por conta de seu total abandono aos planos de Deus para sua vida, Padre Pio foi marcado com os estigmas da Paixão de Jesus Cristo em seu próprio corpo, além de estar profundamente imerso nas realidades sobrenaturais. Dedicando-se inteiramente ao Sacramento da Penitência e da Reconciliação, pretendia dar o alívio aos fiéis de corações atormentados, libertando-os das amarras do demônio – que denominaram Pio como o “barba azul”. Devido a sua humildade e obediência a Deus, ele foi torturado, testado e tentado inúmeras vezes pelo maligno, não desviando, em momento algum, dos olhos de Deus e do caminho da fé.

Alívio espiritual e físico

Inspirado por Deus, Padre Pio percebeu que não só deveria aliviar seus fiéis do sofrimento espiritual como também deveria se preocupar com o sofrimento físico acometido por várias doenças existentes. Assim sendo, em 5 de maio de 1956, São Pio fundou o hospital nomeado Casa Sollievo della Sofferenza – em português Casa Alívio do Sofrimento -, tornando-o referência em toda a Europa.

“Padre Pio para o mundo de hoje” [2]

Em 20 de agosto de 2005, durante a Jornada Mundial da Juventude da Colônia, Alemanha, o Papa Emérito Bento XVI incentivou os jovens a conhecerem mais sobre São Pio de Pietrelcina para que pudesse aprender que o ato de adorar é viver segundo os ensinamentos de Jesus Cristo.

Para saber mais…

A música Fica, Senhor, comigo! Interpretada por Celina Borges é, uma oração de São Pio de Pietrelcina. Veja abaixo:

Que São Pio de Pietrelcina rogue por cada um de nós e pelo nosso Movimento SEGUE-ME. Assim seja!

 

Mariana Rodrigues

Paróquia Imaculado Coração de Maria – Park Way

Arquidiocese de Brasília – DF

 

Notas e referências:

[1] https://santo.cancaonova.com/santo/sao-pio-de-pietrelcina/. Acesso em: 23 set 2021.

[2] Trecho retirado do livro “Orando com Padre Pio” da Editora Biblioteca Católica.